A idade Média começou com a queda do Império Romano do Ocidente, em 476 d.C., e se encerrou com a tomada da capital do Império Bizantino, Constantinopla, pelos turcos-otomanos, em 1453. Esse período costuma ser dividido em dois: Alta e Baixa Idade Média.

A Alta Idade Média estendeu-se do século V ao X. Foi a época de consolidação, na Euroa Ocidental, do feudalismo, sistema socioeconômico predominante na era medieval. No Oriente, porém, em vez da descentralização política feudal, o período foi marcado por dois fortes impérios: o Bizantino e o Árabe.

A Baixa Idade Média vai do século XI até o fim do período medieval, no século XV. É quando o feudalismo chegou ao auge e entrou em decadência. Lentamente, ele começou a sofrer transformações que só se concluiriam na Idade Moderna, quando seria substituído, no campo político, pelas monarquias nacionais e, no econômico, pelo sistema mercantilista.

Por séculos, a Idade Média foi tida como uma época de insignificante desenvolvimento científico, tecnológico e artístico. Essa visão nasceu durante o Renascimento, no século XVI, quando o período medieval foi apelidadeo de Idade das Trevas.

Marcam este período o feudo como base econômica, a estrutura política baseada no sistema de vassalagem e suserania, certo estatismo social, onde havia pouca mobilidade e uma forte hierarquia entre classes e o domínio da Igreja no cenário religioso. Além disso, as guerras medievais e a peste negra dizimaram boa parte da população da época.

O período da Idade Média também foi responsável por importantes avanços, sobretudo no que diz respeito à produção agrícola: inventaram-se o moinho, a charrua (um arado mais eficiente) e técnicas de adubamento e rodízio de terras.

Outra herança medieval são as universidades, que começaram a surgir na Europa no século XIII. Além disso, desenvolveram-se importantes movimentos artísticos, como o românico e o gótico; viveram influentes filósofos, como Santo Agostinho e Santo Tomás de Aquino; e, graças ao trabalho dos monges, preservou-se a cultura greco-romana – o que possibilitaria, aliás, o surto de revalorização da Antiguidade Clássica ocorrido durante o Renascimento.

Fonte  do  texto: Centro  de  Ensino Unificado

Bibliografia:
ABRAMSON, M Et Alli. História da Idade Média. Lisboa: Estampa, 1978, 3 vols.
ANDERSON, Perry. Passagens da Antiguidade para o Feudalismo. São Paulo; Brasiliense, 1979.
BANNIARD, Michel. A alta Idade Média Ocidental. Lisboa: Verbo, 1972.
BARRACLOUGH, Geoffrey. Os papas na Idade Média. Lisboa: Verbo, 1972.
BLOCH, Marc. A Sociedade Feudal. São Paulo: Martins Fontes, 1982.
_______. Os Reis taumaturgos. São Paulo: Cia. das Letras, 1993.
BOLTON, Brenda. A Reforma na Idade Média. Lisboa: edições 70, 1984.
BONNASSIÉ, Pierre. Dicionário de História Medieval. Lisboa: Don Quixote, 1985.
CERM (Centre d’Études et Recherches Marxistes). Sobre o Feudalismo. Lisboa: Estampa,
1978
COHN, Norman. Na Senda do Milênio. Lisboa: Presença, 1984
DOBB, Maurice. A evolução do capitalismo. Rio de Janeiro: Zahar, 1983.
D’HAUCOURT, Geneviéve. A vida na Idade Média. São Paulo: Martins Fontes, 1992.
DUBY, Georges. Guerreiros e Camponeses. Lisboa: Estampa, 1980.
________. O Ano Mil. Lisboa: Ed. 70/São Paulo: Martins Fontes, 1988
________. As três ordens ou o imaginário do feudalismo Lisboa: Estampa, 1980.
________. O Tempo das Catedrais. Lisboa: Estampa, 1979
________. A Sociedade cavaleiresca. São Paulo: Martins Fontes, 1989.
________. A Europa na Idade Média. São Paulo: Matins Fontes, 1988.
________. Idade Média, Idade dos homens: do amor e outros ensaios. São Paulo: Cia.
GROUSSET, René. As Cruzadas São Paulo: Difel, 1965
HERRS, Jacques. História Medieval. São Paulo: Difel, 1981.
________. Escravos e domésticos na Idade Média. São Paulo: Difel, 1983
HOLMES, George. A Europa na Idade Média (1320­1450) Lisboa: Presença, 1984.
HUIZINGA, Johan. O declínio da Idade Média São Paulo: Verbo/Edusp, 1978.
LE GOFF, Jacques. La baja Edad Media. Madrid: Siglo XXI, 1971.
________. Mercadores e banqueiros da Idade Média. São Paulo: Martins Fontes, 1991.
________. Os intelectuais na Idade Média. São Paulo: Brasiliense, 1989.
________. Por um outro conceito de Idade Média. Tempo, Trabalho e cultura no Ocidente. Lisboa: Editorial Estampa, 1979.
________. A civilização do Ocidente Medieval. Lisboa: Editorial Estampa, 1995 (2 vols)
________. O Apogeu da Cidade Medieval. São Paulo: Martins Fontes, 1992.
________. O Imaginário Medieval. Lisboa: Editorial Estampa, 1994.
LOPEZ, Robert. A cidade medieval. Lisboa: Presença, 1988.
PERROY, Édouard. A Idade Média. São Paulo/Rio de Janeiro: DIFEL, 1977 (História Geral das Civilizações 6, 7, 8).
PINSKY, Jaime. Modo de Produção Feudal. São Paulo: Global, 1982.
PIRENNE, Henri. Histórica econômica e social da Idade Média. São Paulo: Mestre Jou, 1963.
___|_____. As cidades da Idade Média. Lisboa: Europa/América, 1973
QUEIROZ, Tereza Aline. As heresias medievais. São Paulo: Atual, 1988.
SILVA, F. C. Teixeira. Sociedade Feudal: Guerreiros, Sacerdotes, Trabalhadores. São Paulo:
Brasiliense, 1982.
SLICHER VAV BATH, B. H. História agrária da Europa Ocidental (500­1850) Lisboa:
Presença, 1984.
WOLFF, Philippe. Outono da Idade Média ou primavera dos tempos modernos? São Paulo:
Martins Fontes, 1988.
VAUCHEZ, André. A espiritualidade na Idade Média ocidental: séculos VIII ao XII. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1995.
Fonte: Departamento de História da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP)
Publicado originalmente em: https://falando-historia.blogspot.com.br/2013/02/bibliografia-sobre-idade-media.html